quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

A quem estamos agradando?

“Porventura, procuro eu, agora, o favor dos homens ou o de Deus? Ou procuro agradar a homens? Se agradasse ainda a homens, não seria servo de Cristo.” (Gl 1.10).




Paulo, somente foi o missionário que foi, porque seu

pensamento era o de sempre agradar a Deus.

Paulo não bajulava os crentes, atrás de favores, não

desejava construir um grande templo, nem comprar os jornais da

época. Nada disso! Ele não tinha ambições financeiras, por isso,

suas mensagens não eram voltadas para o dinheiro, e ninguém

podia cobrar-lhe favores.Paulo sempre se colocou na posição

de servo (grego doulos = escravo), sua vontade era A vontade

de Deus e só isso bastava para ele “logo,já não sou eu quem

vive,mas Cristo vive em mim;e esse viver que, agora, tenho na

carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo

se entregou por mim.”(Gl 2.20)

A luta de Paulo era, para que a igreja tivesse o mesmo

sentimento que ele tinha. “Agora, porém, despojai-vos,

igualmente, de tudo isto: ira, indignação, maldade,

maledicência, linguagem obscena do vosso falar. Não mintais

uns aos outros, uma vez que vos despistes do velho homem com

os seus feitos e vos revestistes do novo homem que se refaz

para o pleno conhecimento, segundo a imagem daquele que o

criou; no qual não pode haver grego nem judeu, circuncisão nem

incircuncisão, bárbaro, cita, escravo, livre; porém Cristo é tudo

em todos.(Cl 3.8-11)”.

Talvez, os judaizantes tivessem argumentado com os

gálatas, que os motivos da pregação de Paulo, eram puramente

financeiros, ou que ele buscava engrandecer o seu nome e para

isso passava por cima da autoridade da igreja de Jerusalém que

era a igreja mãe. Paulo porém, enfatiza nesta carta aos gálatas,

seu motivo real de pregar e afirma que se suas pregações

buscassem os favores dos homens, ele então não seria mais

servo de Cristo, e sim um impostor.

Isto serve para todos os ministros do evangelho. A

quem estamos agradando? E de quem buscamos o favor?

Pensemos nisso e que Deus nos conceda a glória de servi-lo

fielmente.



Feliz ano novo!

Pr. Igor de Moura Cogoy.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

A depravação total da humanidade.

A depravação total da humanidade:




A depravação total da humanidade é o primeiro dos cinco pontos do calvinismo, que lança luz sobre essa importante verdade espiritual contida na palavra de Deus. Apesar de o termo causar um pouco de medo e oposição por parte de alguns evangélicos (em especial os arminianos). Não pode ser negado e toda tentativa de fazê-lo, fere o princípio bíblico da soberania de Deus! Pois a bíblia nos mostra claramente que Deus está no controle de tudo ( Sl 96.10; 99.1-5; Dn 4.33-35; Mt 10.29-31).

Mas o que é a depravação total? Essa importante doutrina ensinada pelos reformadores, nos abre os olhos para uma importante verdade: Todos os homens são pecadores e totalmente depravados em cada parte de seu ser, isto é, seus pensamentos, emoções e vontades. Por esse motivo, ninguém pode fazer o bem diante do senhor, pode até fazer o bem diante dos homens e segundo o conceito da humanidade, mas não segundo a justiça e santidade de Deus. Aos olhos de Deus, nada do que fazemos pode mudar nossa realidade espiritual antes de estarmos em Cristo: mortos espiritualmente para Deus! (Ef 2.1). E como o ser humano sem Cristo esta morto para as coisas espirituais e para Deus, não pode compreender e muito menos buscar a santidade e comunhão com Deus (1Co 2.14). Com a vontade humana afetada pelo pecado, ninguém pode escolher ser salvo sem a ação do próprio Deus, isto é, sem a soberana graça de Deus. Portanto, com base nessa doutrina bíblica, não existe o livre arbítrio humano como muitos pensam e ensinam em suas igrejas! Pois o homem perdeu o livre arbítrio quando caiu no Édem! (Sl 51.5; 58.3; Pv. 20.9).

A doutrina da depravação total é ensinada em toda a palavra de Deus: (Gn 6.5,6; 8.21; Jó 14.4; Sl 51.5; 58.3; Pv 20.9; Ec 9.3; Jr 17.9; Mc 7.21-23; 15.5; Rm 3.10-18; 8.7,8; 1 Co 2.14; Ef 2.1-3; 4.17-19; 5.8; Cl 2.13; Tt 1.15).

Soli Deo Glória!

Pr. Igor de Moura Cogoy.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Três motivos para não julgarmos alguém!

"Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois com o critério com que julgardes, sereis julgados; e com a medida com que tiverdes medido vos medirão também. Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porem não reparas na trave que esta no teu próprio? Ou como dirás a teu irmão: deixa-me tirar o argueiro do teu olho, quando tens a trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho e então verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu irmão" (Mt 7.1-5).

"Uma certa igreja estava precisando de pastor. Um dos presbíteros escreveu uma carta como se tivesse recebido de um candidato e a leu perante o conselho da igreja: Senhores: sabendo que o púlpito de sua igreja está vago, gostaria de candidatar-me ao cargo.
Tenho muitas qualidades que, penso, irão apreciar. Tenho sido abençoado com o peder na pregação e tenho tido bastante sucesso como escritor. Alguns dizem que sou bom administrador; algumas pessoas, contudo, tem alguma coisa contra. Tenho mais de cinquenta anos de idade. Nunca fiquei no mesmo lugar. Tive que deixar uma cidade, porque a obra causou tumulto e disturbios. Tenho que admitir que estive na cadeia, três ou quatro vezes, mas não por más ações. Minha saúde não é muito boa, embora eu consiga trabalhar muito. Tenho exercido minha profissão para pagar as despesas. As igrejas em que tenho pregado, são pequenas, embora localizadas em várias cidades grandes. Eu não tenho tido comunhão com os líderes religiosos das diversas cidades onde tenho pregado. Para falar a verdade, alguns deles me levaram as barras do tribunal e me atacaram física e violentamente. Eu não sou bom para manter arquivos de registros. muitos sabem que eu esqueci a quem batizei. Todavia, se os senhores quiserem me aceitar, esforçarme-ei ao máximo, mesmo que seja obrigado a trabalhar para custear o meu sustento". Depois de ler esta carta diante do conselho, o presbítero perguntou aos oficiais se estavam interessados neste candidato. Eles replicaram que ele jamais serviria para aquela igreja. Eles não queriam um homem enfermo, contencioso, turbulento, um presidiário descabeçado. E ainda mais, a apresentação deste candidato era até um insulto para a igreja. Depois perguntaram qual era o nome do candidato, e a resposta foi: O apóstolo Paulo! (Extraído de: O mensageiro, 1999, pg.62).
A seguir, três motivos para não julgarmos alguém:

1. Para não sermos julgados (v.1).
a. Pois seremos seremos condenados naquilo que condenamos os outros! (v.2).
b. Porque sempre temos algo de errado em nossas vidas (v.3)

2. Para não cometermos o risco de julgarmos mal, como o pessoal de nossa hestória. O senhor Jesus quando se refere ao ato de julgar, nos lembra que não devemos julgar com base na aparência dos fatos, mas sim conforme a reta justiça, que é baseada, alicerçada e totalmente centralizada na Bíblia sagrada! (Jo 7.24). Os amigos de Jó, o julgaram errado e Deus se irou com eles por causa disso, pois no mau juízo que fizeram, distorceram a imagem de Deus (Jó 42. 7-9).

3. Para não nos tornármos hipócritas (v.5).
a. Pois o hipócrita não reconhece o seu próprio erro e pecado, que é geralmente maior do que o alheio!
b. Pois o hipócrita em sua loucura e presunção, finge justiça ou interesse espiritual, ordenando que os outros endireitem suas vidas.

Conclusão:

Nunca é bom julgarmos aguém, mas se preciso for, todo o juízo e orientação a alguém, deve ser feita com base na palavra de Deus e com o temor de Deus, sempre lhe pedindo sabedoria e graça. Portanto, não devemos sair por ai falando mal dos outros, principalmente dos ministros de Deus e líderes da igreja do Senhor, mas sim orientarmos a todos os vacilantes a seguir o caminho do Senhor e de sua palavra.
Pr. Igor de Moura Cogoy.  


quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

quem é Jesus para você? (Parte 2)

Hoje em dia ao se passar em frente de uma igreja em dias de culto, não se sabe se ali ainda é uma igreja ou virou uma sinagoga judaica! E ao ouvir muitas das pregações evangélicas contemporâneas, não conseguimos identificar quem está pregando um pastor ou um rabino! Pois as igrejas evangélicas de hoje em dia estão cheias de cerimoniais e símbolos da religião hebraica, com seus púlpitos decorados com a bandeira de Israel e com muitos candelabros e etc. Com tamanha idolatria ao povo de Israel, o resultado não poderia ser outro, heresias e modismos!


O Jesus que é pregado em nossos dias é mais o menos assim:

• O Jesus empresário. Que não quer que seus filhos sejam pobres (Principalmente os pastores) que andem em carros velhos ou morem em casas humildes, pois afinal de contas Jesus andou de jumentinho zero não é verdade? Esse Jesus empresário não quer mais ouvir em construção de pequenos templos, pois melhor é construir uma catedral! Onde ELE pode capitalizar melhor e em maior quantidade as ofertas e os dízimos. Sempre se lembrando é claro dos seus queridos ministros, pois boa parte do que é capitalizado pode ser usado para adquirir um jatinho pastoral! Onde seu servo pode visitar com mais comodidade as muitas igrejas (ou seriam empresas) desse Deus capitaliza dor. O Jesus empresário, nunca deixa de fazer um bom negócio com seus discípulos, desde é claro que o dízimo seja triplicado! E que seu servo (o pastor) ganhe sua parte no negócio, nada mais justo você não acha? Afinal o pastor é o intermediário direto entre o Jesus empresário e os crentes barganhadores de nossos dias. Para o Jesus empresário, o que mais importa em sua igreja é a fé! ELE não parece estar muito preocupado com seus problemas espirituais e emocionais. Quando esses aparecem, é com certeza falta de fé ou possessão maligna, e aí meu irmão, aja sessão de descarrego! Esse Jesus empresário, nunca repreende sua igreja (tem medo de perder o cliente) por isso suas mensagens e profecias sempre são de caráter acolhedor e positivista. Pode o crente estar em adultério, desviado, sem vontade de orar e ler a bíblia, não importa suas profecias para a igreja sempre são as mesmas: “Vou derramar uma nova unção de prosperidade e multiplicação em sua vida!”.

• O Jesus esotérico. Que adora os números (digo numerologia), superstições e símbolos da religião hebraica! Esse Jesus promete verdadeiros milagres econômicos se prestarmos atenção em seus números proféticos (Que diga Os pastores Morris Cerulo e Silas Malafaia!). Mas as bênçãos desse Jesus esotérico não se referem apenas a milagres financeiros para a igreja, pois pelo menos esse se importa também com a salvação de almas (ou seria multiplicação de dizimistas). Enfim isso não vem ao caso aqui, o que realmente importa, é que o Jesus esotérico promete também um milagre de multiplicação da igreja, uma nova unção multiplicadora de discípulos! Basta acreditar em seu número (12) milagroso (ou seja, profético!). E como esse Jesus é esotérico supersticioso, não poderia deixar de abençoar a igreja com dons que só existe na cabeça dos que o servem (pois na bíblia é que não ta!) e na bíblia dos seus pastores. É tanto dom que esse Jesus libera! Dom de expulsar demônios, De levantamento de fundos financeiros, da Unção do dente de ouro, do paletó, de derrubar os crentes no chão e fazê-los dormir no culto! Sem falar da superstição das palavras(Algo que foge do contexto bíblico teológico), pois segundo esse Jesus esotérico e supersticioso por demais, as palavras proferidas pelos cristãos têm poder e conferem ao diabo ou a Deus o direito de executá-las na vida deles (é melhor então nem abrir a boca! Bem aventurados os mudos!) É por isso que os pastores devem fazer bastante atos proféticos na igreja, assim os crentes só pronunciam a benção e como esse Jesus é conduzido por palavras que saem da boca dos crentes, ta tudo resolvido! (inteligente isso não?) o problema é quando os crentes voltam pra casa! (cala-te boca).

• O Jesus que é incapaz de salvar completamente é o próximo da lista. ELE até que é bonzinho e realmente se importa com a humanidade! O problema é que ELE é incapaz de salvá-la! Seu sacrifício na cruz não foi o suficiente para libertar o homem das mãos de satanás, nem de garantir-lhe a completa absolvição dos pecados. Sendo necessária para uma salvação completa e real a interação da humanidade, que segundo o seu esforço e destreza em guardar dias (o Sábado), fazer cura interior, seção de regressão, terapias de vidas passadas, liberação de perdão (afinal, quem perdoa o homem ou Deus?) quebras de maldição do passado (do tempo que a pessoa não conhecia a Jesus) seus e dos seus parentes! (qualquer dia vão fazer batismos pelos mortos! Melhor eu não dar idéia!) Enfim, se o crente se dispuser a cumprir essa pequena lista de exigências para ir ao céu, esse Jesus promete te salvar, não é maravilhoso?

• O Jesus animador de auditório. Esse Jesus é interessante, pois seus cultos nunca caem na mesmice! Sempre tem alguém caindo endemoniado, alguém profetizando, alguém falando em línguas estranhas tão alto que não se consegue ouvir o que Deus esta falando através da mensagem da bíblia! Sem falar nos aviões e tratorzinhos ou trenzinhos que os crentes de maneira “espiritual” é claro, fazem pelos corredores da igreja. Esse Jesus não se preocupa muito com o ensino da igreja, seu negócio é o reteté e o rebuliço dos crentes. Para ELE estudar é coisa de crente frio e mundano, pois a letra mata (não sabe ELE que é a letra da lei!). Quando termina o culto, os crentes saem tão edificados com aquele barulho todo, que se alguém lhes perguntar qual foi à mensagem, não saberá responder! Também pudera, as pregações na casa desse Jesus quase sempre se resumem á leitura da palavra, apresentação (do pregador é claro!) e o resto é profecia, língua estranha e muito mistério! (até hoje nunca descobri o que realmente é esse jargão!).



Será que um desses é o Jesus que você tem seguido ao longo de sua caminhada Cristã? Se for, ainda a tempo de buscar o Jesus verdadeiro, que esta revelado na bíblia, e que não se importa com a nossa situação financeira (digo como posição perante ELE), POIS para ELE o que importa é a riqueza que acumulamos no céu, mediante os serviços que prestamos para ELE aqui em vida (Lc.16.19-31; Mt.6.19-21). E para que haja um perfeito amadurecimento e ganho em vivencia espiritual, permite que em certos momentos de nossa vida haja situações adversas ao nosso cotidiano, como por exemplo, a fome, o desemprego, a doença, a perseguição, a calúnia e a falta de compreensão por parte dos familiares e amigos (1CO. 4.6-20). Mas promete sempre estar junto de nós até que tudo esteja consumado (Mt. 28.20). Jesus não esta preocupado com o tamanho de sua casa, e sim com o tamanho do teu coração e da tua fé em segui-lo mesmo nas adversidades. O VERDADEIRO Jesus como é apresentado nas páginas do Novo Testamento, não esta preocupado com grandes catedrais, visto que ELE não habita em templos feitos pelos homens (At. 17.24), mas no interior daqueles que o temem (2CO. 6.16) seu desejo é o de habitar o coração de seus filhos(Ef. 3.17; Ap.3.20). Jesus também não esta interessado em números e não promete nenhuma unção específica a quem procura aplicá-los em sua vida e ministério. ELE apenas manda que a palavra seja pregada a tempo e fora de tempo (2 Tm. 4.1,2). Não sendo ELE um Deus supersticioso, e nem incapaz de salvar ao homem, mas perdoando-o de todos os pecados (Hb.10.17,18). Seja os do passado como os que confessamos a todo instante, pois é um Deus que tem prazer em perdoar seus filhos e trazê-los de volta a comunhão com ELE. Jesus também não esta interessado em entreter o auditório das igrejas, pois não é um Deus de espetáculos! Pelo contrário, o que ELE deseja é que na sua casa (a igreja) haja ordem e não confusão!(1CO. 14.26-39).

Agora que você já conhece os diversos cristos propagados pelas igrejas, e também conhece o que a bíblia revela sobre ELE, que tal tomar a escolha certa e servir a Jesus de verdade? Pense nisso!

Pr. Igor de Moura Cogoy

Quem é Jesus para você? (Parte 1)

Certa vez, alguém me perguntou por que, que na fachada de uma igreja vista por ele estava escrito: “Jesus Cristo é o Senhor!” Pois para ele, o Senhor era Deus! Aquilo me acordou para a realidade das coisas! Apesar de passados dois mil anos, a maioria das pessoas que dizem seguir a Cristo de fato não o conhece em sua essência e realidade. Isso não é hipocrisia, ou falsa demagogia de um pastor frustrado com a falta de intimidade e espiritualidade da igreja de nossos dias, e sim a realidade das coisas! Pois ao me preparar para escrever este texto, a primeira coisa que me veio em mente foi: quem é o Jesus que eu prego?

Ao longo Da história do Cristianismo, muito foi e continua sendo discutido a respeito da pessoa de Jesus, heresias destruidoras se infiltraram na igreja de Cristo com o intuito de distorcerem a imagem e a obra do salvador amado. Segue-se uma pequena lista de heresias do passado que ainda podemos observar em algumas igrejas ditas “evangélicas”:

Gnosticismo, Docetismo, Monarquismo, Sabelianismo, Arianismo o Apolinariarismo, Nestorismo e o Eutiquianismo. Todas essas pseudo- religiões foram fundadas por pessoas que não compreenderam ou se negarão a crer no testemunho das escrituras a cerca de Cristo. Todas elas foram combatidas e vencidas, ou seja, desmascaradas pelos verdadeiros seguidores de Cristo. Só seguirá tais ensinos quem quiser! Pois a verdade foi anunciada! Só que hoje em dia as pessoas continuam errantes no caminho de Cristo, os filhos das trevas continuam distorcendo o verdadeiro significado do cristianismo e do seu Cristo! E o pior é que esta situação fica cada vez pior, pois faltam arautos da verdade, que se proponham a colocar o próprio nome em defesa da fé! Quem é Jesus para você amigo? Você já parou para pensar em que tipo de Cristo você tem ensinado a outras pessoas? Pense nisso!
Pr. Igor de Moura Cogoy

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Quem são os espíritos que tentam se comunicar com os homens?

Estamos vivendo nos dias de hoje, um tempo de apologia ao espiritismo, que é ensinado através das novelas e filmes. Essa crença é incutida facilmente na mente do povo, pois o desconhecimento deste a respeito da palavra de Deus, o torna uma presa fácil para os espíritas.
E como diz o ditado popular: "mente vazia é oficina do diabo!". O apóstolo Paulo já advertia que : "Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos alguns apostataram da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios" (1Tm. 4.1). Mas quando começou essa prática? Sera possível alguém conversar com os mortos? A bíblia apóia tal prática? Estas e outras perguntas responderemos agora.
  1. O começo de tudo: A bíblia nos mostra claramente quando tudo começou, e também nos forneçe o que pareçe ter sido o primeiro culto espírita, e para a surpresa geral, o primeiro ser a receber um espírito foi a serpente no éden! (Gn.3). Satanás entrou naserpente e enganou Eva! Nos tempos de hoje, qualquer espírita diria que a serpente um grande dom de mediunidade!
  2. O estado dos mortos: A bíblia nos mostra que os mortos estão no seu lugar apropriado, com Deus ou sem Ele em tormentos (Hb. 9.27; Lc. 16.19-31). Os mortos não sabem coisa alguma do que acontece aqui na terra (Ec. 9.5,6,10; Is. 38.18,19; Sl. 115.17; Sl. 88.10-13), nem podem voltar da sepultura e do além (Jó 7.9).
  3. A bíblia condena o espiritismo: A palavra de Deus condena o espiritismo, Deus antes de introduzir seu povo na terra prometida, deu mandamentos ao seu povo, e entre esses mandamentos, o de não consultar os mortos (Dt. 18.10-14). De fato, a bíblia reprova tanto o espiritismo, que aquele que praticasse tal coisa, deveria morrer (Lv. 20.27). Sendo este o principal motivo da prematura morte do rei Saúl (1Cr. 10.13).
  4. Mas se os mortos não podem sair de onde estão, quem são então esses espíritos que se apresentam nos centros espíritas?: Só há uma resposta legitimamente aceitável: São espíritos enganadores, ou seja, demonios disfarçados de espíritos de falecidos. Eles enganam as pessoas que sentem saudades dos seus entes queridos. Não podemos nos esquecer que Satanás no seu intuito de enganar alguém, pode até se disfarsar de anjo de luz (2Co. 11.14).
  5. O que devemos fazer quanto a nossa vida?: Devemos crer na palavra de Deus, e aceitar a revelação divina que nos ensina que passamos por esta terra uma vez só (Hb. 9.27), sendo que logo depois de nossa morte, seremos julgados (2 Co. 5.10). Por isso há a necessidade de aceitarmos a Jesus como nosso salvador, pois só Ele pode nos salvar e nos libertar de todo o pecado, bem como de suas consequências (At. 4.12).

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

O povo quer saber!

O sábado é santo, ou isso é conversa de adventista?

Caro amigo, o sábado é um dia como qualquer outro, devemos santificar todos os dias ao Senhor e não somente o sábado. A bíblia nos mostra claramente que a lei, bem como o próprio sábado foi ab-rogada, isto é, cancelados. Paulo nos diz em Colossenses 2.16 assim: ‘‘Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados”. O ensino Bíblico é claro a respeito da lei e da graça, e afirma que a lei e os profetas profetizaram até João(Mt 11.13); mas a graça e a verdade vieram por Jesus(Jo1.17).
O sábado foi abolido devido sua inutilidade. Segundo seus defensores, o sábado seria o selo de Deus nos dias atuais, mas onde está escrito isso? É só suposição! Como toda a teologia legalista. O Israel segundo a carne, possuía dois selos: O sábado (Ex31. 17) e a circuncisão (Gn 17.9-14). Mas Deus indica que faria uma nova aliança (Jr31. 31-34). NA SEIA, Jesus proclamou a nova aliança do seu sangue (Mt 26.28). Já na nova aliança, nem o sábado, nem a circuncisão; são mencionados como selos de Deus para o seu povo, mas pelo contrario, em atos 15, na assembléia de Jerusalém, para todo aquele que sinceramente lê os cristãos gentílicos estão dispensados da lei (ver: 15. 19-21). Já na NOVA ALIANÇA, o selo de Deus fica sendo o Espírito Santo (Ef 1.13) e não o sábado! Alem do mais, guardam realmente os adventistas o Sábado? Creio que não, Pois a lei proibia quem acendesse fogo em suas casas no dia de sábado (Ex 35.1-3). Eles dizem que o sábado é um estatuto perpétuo (ex 31.16), e por isso deve ser guardado até hoje. Mas porque eles não celebram a festa da expiação que é estatuto perpétuo (Lv16. 29-34); Festa da páscoa (Ex 12.14-19); A festa das primícias estatuto perpétuo (Lv 23. 9-25); A festa dos tabernáculos, estatuto perpétuo (Lv 23. 34-41). Já sei, eles não as guardam porque elas faziam parte da lei cerimonial, enquanto o sábado é lei moral. Mas onde na Bíblia existe esta distinção de lei? Para todo o judeu contemporâneo de Jesus, A LEI ERA O PENTATEUCO (os cinco livros de Moisés). Não existe essa divisão na bíblia!
Em Neemias 8.1,2, 3,14 e 18, vemos a lei como uma só. Ele declara no mencionado texto, lei de Moisés e lei de Deus. O profeta não está falando de duas leis para o povo, mas apenas da lei. Já NO NOVO TESTAMENTO, Quando um jovem lhe pergunta a respeito da salvação (Mt 19). Jesus lhe diz para guardar os MANDAMENTOS, E ENTRE ELES, esta o preceito dito cerimonial de Levíticos 19.18= “amaras ao teu próximo como a ti mesmo". Vejam que Jesus também não fazia distinção entre a lei. Isso é conversa fiada. Ao fazer minha introdução, eu disse que o sábado tinha sido abolido, e foi e o próprio Jesus começou a tirar a autoridade do sábado (Jo 5.18), pois percebia a sua inutilidade e como estava sendo usado para oprimir e não como memorial. Aliás, quem tem uma relação intima com Deus, não precisa de nada visível, pois Deus enche as pessoas e fala aos seus corações. Quando procuramos algo assim, caímos na idolatria!
Continuando, o antigo concerto foi abolido na cruz do calvário, mas nem por isso aquilo que realmente era importante nele, deixou de ser necessário hoje, mas algumas coisas dele sim, e o sábado querendo ou não, ficou obsoleto e inútil. Talvez alguém diga: - Não podemos julgar! Quanto a julgarmos ágüem por qualquer que seja o motivo, concordo com tal pessoa, mas vale lembrar, que o mesmo Senhor Jesus nos manda Julgar segundo a reta justiça (Jo7. 24) e qual a reta justiça? A PALAVRA DE DEUS! E segundo a palavra de Deus, o sábado foi ab-rogado! Ver: 2co 3.3,9-13. Onde Paulo afirma claramente que a lei gravada em pedras era o ministério da morte (v.7), da condenação (V.9); e era transitório (passageira) ver: 2co3. 13. Alguns defensores da guarda do sábado usam o texto de apocalipse 14.12 para justificar a sua guarda e também para dar um caráter escatológico ao sábado, mas tal coisa não passa de um disparate teológico, uma tentativa desesperada de encontrar um subsídio, para sua sustentação. Pois em Apocalipse 14.12, não é mencionado o sábado, e sim mandamentos! Quem garante que entre os tais mandamentos está o sábado? Se Jesus deu outros mandamentos (Jo 13.34; 1 ts 4.2) logo, não há nenhuma referencia ou garantia no texto de Apocalipse a respeito do sábado. Só suposição, como toda teologia legalista, é incrível como eles fazem isso o tempo todo! Eles supõem e só!
Devo esclarecer aqui, que quando me referi ao profeta João Batista, eu não afirmei que não existia mais profecias, e sim que o ministério dos profetas acabou. Vou esclarecer, No antigo testamento, o Espírito do Senhor era sobre algumas pessoas, e não sobre todas! Por exemplo: A bíblia menciona em Números 11.16-18; 24-29. Que Deus tirou do Espírito que estava em Moisés, e colocou em outros 70! E continuando, no verso 25 ela afirma que ao colocar o Espírito sobre eles, eles começaram a profetizar. No antigo testamento, o Espírito Santo era dado sobre medida para aqueles que desempenhavam o ministério profético (Só eles, e não qualquer um. Salvo casos especiais) tanto é, que o profeta Eliseu, pediu a porção dobrada de Elias!(2Reis 2.9,10). No NOVO TESTAMENTO, já na Nova ALIANÇA, da qual o SÁBADO NÃO faz parte, não existe mais o ministério de profeta, e sim o DOM de profetizar (1co 12.10) que qualquer um pode ter... "Portanto, procurai com zelo os melhores dons; e eu vos mostrarei um caminho ainda mais excelente” (1Co 12.31).

Pr. Igor de Moura Cogoy.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Vencendo os fracassos da vida

"Saúdam-te Epafras, meu companheiro de prisão em Cristo Jesus, Marcos, Aristarco, Demas e Lucas, meus cooperadores." (Fm. 23,24).
No verso 24, Paulo cita os nomes de seus cooperadores e entre eles está o nome de Marcos, aquele mesmo, que teve o privilégio de pregar o evangelho com Paulo e Barnabé que era seu tio ou primo, mas desistiu no meio do caminho (Cl. 4.10).
João Marcos ou simplesmente Marcos, é o autor do evangelho que leva seu nome e talvez tenha se convertido ao ouvir as pregações de Pedro (1Pe. 5.13).
Marcos abandonou a missão e por isso Paulo não o quis levar na segunda viagem missionária. O que como todos já sabem, gerou uma discussão entre Paulo e Barnabé, tal atrito, levou a separação da dupla missionária (At. 15.36-39).
Alguns anos depois, provavelmente já amadurecido pelo tempo, Paulo o chama novamente para acompanhá-lo na pregação do evangelho. Isso nos faz uma importante lição: Não importa o que nós fizemos de errado, Deus sempre pode nos perdoar e dar uma nova chance de concertar os nossos erros, Deus não desistiu de você! Há ainda muita coisa para você fazer para ELE nessa terra, por isso, marche!
Talvez eu esteja escrevendo para alguém que tenha desistido da obra de Deus, Ou para alguém que está prestes a desistir de uma, tanto faz, o que importa mesmo é que Deus te ama!
Marcos tinha muitos motivos para nunca mais se levantar ministerialmente,tinha um enorme peso nas costas, e com certeza o diabo deve ter trabalhado muito em sua mente, tentando tirar-lhe toda a esperança e fé numa retomada ministerial. Creio que dia e noite ele sofreu o remorso de ter largado a obra de Deus, abandonando seus companheiros na viagem missionária.
Mas Deus em sua infinita misericórdia, o levantou novamente, e João Marcos deu a volta por cima tornando-se inclusive um dos autores do evangelho de Cristo. Se ele tivesse desistido, não teria escrito um dos evangelhos, e com isso muitos deixariam de se converter a Cristo em Roma, para quem Marcos escreveu o seu evangelho. Se você desistir,alguém com certeza deixará de ser abençoado!Ou talvez até perca a salvação!Por tanto não desista embora tenha se decepcionado,o teu problema tem solução!Basta entrega-lo a Jesus.
"Lançando sobre Ele toda a vossa ansiedade,porque Ele tem cuidado de vós."
( 1 Pe. 5:7)