sábado, 27 de novembro de 2010

Existe uma nova unção?

Certo dia um pastor, amigo de Ministério relatou-me com muito pesar o que presenciou em certo congresso de jovens. Ele levou os jovens de sua igreja ao congresso, e relatou-me que em certo momento o cantor principal do congresso, chamou a frente, a todos os jovens pois ele queria fazer uma oração a fim de que todos ali pudessem receber a nova unção que Deus estava derramando na igreja brasileira. Entristecido e até certo ponto indignado com a atitude do cantor e dos organiza-dores do congresso, retirou-se do mesmo levando os jovens de sua igreja junto com ele. Ele me disse que não poderia compartilhar com tal doutrina, pois, ele desconhecia na palavra de Deus esse negócio de nova unção! O mais triste de tudo isso, é que esse não é um caso isolado, pois é comum ouvirmos falar de nova unção, nova visão etc. Mas o que diz a palavra de Deus sobre isso? ou melhor, encontramos na palavra de Deus, textos que defendem essa doutrina? A resposta só pode ser uma: Não! Não ah nada na bíblia que defenda essa crença neo-liberal.   
Alguns defensores dessa nova unção, tentam usar o texto de Salmos 51.10 para provar que é bíblica essa doutrina, mas se esquecem eles, que não estava pedindo uma nova unção, e sim um novo coração. Pois estava em pecado com a mulher de Urias, e, sentindo um profundo remorso, pedia um novo coração a Deus, assim como a alegria da salvação (V.12). O espírito a ser renovado é o de Davi e não o Espírito Santo, basta  observar que o o espírito que Davi pede para ser renovado(V.10), esta com o (e) minúsculo, Já o Espírito de Deus que é citado no verso 11, esta com o (E) maiúsculo.  Pois não é preciso ser nenhum teólogo para saber que o Espírito de Deus não se renova, mas sim o espírito humano, renova-se no sentido, de voltar a alegria, a força e o vigor. Pense comigo, sendo o Espírito Santo Deus, como pode ele ter de renovar-se? isso é coisa de humano, que é limitado e está sujeito ao tempo e as intempéries da vida. 
Se essa tal nova unção existe, como ensinam esses teólogos liberais, como isso pode se adequar ao que escreveu João em 1Jo. 2.20, 27 que diz o seguinte: "E vós tendes a unção do Santo, e sabeis tudo...E a unção, que vós recebestes dele, fica em vós".   O apóstolo João é claro ao afirmar, que os crentes em Deus, já tinham recebido a unção de Deus, e, que essa unção permanecia neles! Isso é, não precisava ser renovada, pois não se consumia ou acabava, mas permanecia. 
Pelo que podemos abservar nas Escrituras sagradas, tal ensino sobre nova unção, não procede da palavra de Deus, e sim do coração de falsos pastores e ensinadores, que querem apenas mercandejar a palavra de Deus. 
Soli Deo Glória.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Seria o domingo a marca da Besta?

Escrevo este texto, com a intenção de ajudar a todos aqueles que talvez estejam se perguntando sobre isso, pois em nossos dias, com o avanço da inclusão digital, e o crescimento da mídia evangélica, muitos estão sendo bombardeados a cada dia com uma salada de conceitos teológicos e filosóficos. E o assustador, é que muitos desses conceitos partem de pessoas ou igrejas que desvirtuam o evangelho de Cristo, que misturam conceitos certos e ortodoxos, com conceitos totalmente errados. A marca da besta por exemplo, é um tema que facilmente, e constantemente é alvo de interpretações errôneas, onde é menosprezado todas as regras da hermenêutica bíblica. 
Outro dia, eu presenciei um debate na rede internacional de televisão, onde um pastor alegava que chegaria o dia em que todos teriam que tomar uma decisão, ficar ao lado de Deus e guardar o sábado, ou ficar ao lado do diabo e aceitar a marca da besta, que seria o domingo. Ao constatar tamanho erro e assassinato da exegese bíblica, me vi na obrigação de colocar na internet um estudo verdadeiramente bíblico-teológico, comprometido com o texto de apocalipse, pois nenhuma profecia pode ser de particular interpretação! (2Pe.1.20). 
Antes de refutar essa heresia, temos que descobrir a origem dela, e a origem dessa doutrina falsa, esta nos escritos de uma certa profetiza, que segundo seus adoradores, teria o espírito de profecia relatado no livro de apocalipse (Ap.19.10). Ela escreveu o seguinte: "Como o sábado se tornou o ponto especial de controvérsia por toda a cristandade, e as autoridades religiosas e seculares se combinaram para impor a observância do domingo, a recusa persistente de uma pequena minoria em ceder à exigência popular, fará com que esta minoria seja objeto de execração universal... Quando os observadores do sábado forem levados perante os tribunais para responder por sua fé, estes apóstatas serão os mais ativos agentes de satanás para representá-los falsamente e os acusar e, por meio de falsos boatos e insinuações, incitar os governantes contra eles.... Terrível é a crise para a qual caminha o mundo. Os poderosos da terra, unindo-se para combater os mandamentos de Deus, decretarão que todos, "pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos" (Ap. 13.16), se conformem aos costumes da igreja, pela observância do falso sábado. Todos os que se recusarem a conformaren-se serão castigados pelas leis civis, e declarar-se-à finalmente serem merecedores de morte."(Ellen G. White, O grande conflito, pgs, 610,614,621, CPB). 
Como podemos observar, essa doutrina não vem da Bíblia, mas da cabeça de uma mulher que se achava  uma profetiza da parte de Deus. mas para que suas profecias tivessem autoridade dentro do movimento a qual ela pertencia, teria ela que encontrar um texto para se fundamentar, dai surge o texto de apocalipse 13.16,17, onde esta escrito o seguinte: "E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas; Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome".
Numa interpretação toda tendenciosa, os defensores dessa doutrina afirmam que o sinal da besta é o domingo, pois segundo eles o selo de Deus é o sábado, e numa tentativa desesperada de salvar essa heresia, que não resiste uma acareação bíblica, apelam para Ezequiel 20.12 que diz assim: " E também lhes dei os meus sábados, para que servissem de sinal entre mim e eles: para que soubessem que eu sou o Senhor que os santifica." 
Refutação: 
  1. A marca da besta, é a resposta de satanás aos 144.000 selados por Deus em apocalipse 7.3, portanto nada tem haver com a questão de se guardar o sábado ou o domingo. É importante analisar que a palavra marca, no grego é charagma, era usada para designar o selo, que poderia ser usado em documentos animais e etc. Assim sendo, pode-se observar que a marca descrita no texto de apocalipse, era algo visível, que marcava, mostrava e sinalizava que tal pessoa poderia comprar e usar de seus direitos civis (V.17). Também é importante dizer, que nada há no mencionado texto, que se refira ao sábado, isso é apenas suposição de uma mente doentia, ou desesperada por dar um caracter escatológico ao sábado. 
  2. Quanto ao texto de Ezequiel 20.12, é mais uma amostra do despreparo teológico desse povo sabatista, pois se observarmos atenta-mente o contexto, veremos o seguinte: Para quem era a mensagem de Ez.20.12?  Para a nação de Israel! (V.3), não é uma profecia para a igreja, Deus não esta repreendendo a igreja, e sim seu povo de Israel que não observava seus estatutos e leis (Vv.11,12). O Israel de Deus, tinha dois selos, a circuncisão (Gn.17.9-14); e o sábado (Êx.31.17), como não foram capazes de cumprir, Deus prometeu fazer uma nova aliança (Jr.31.31-34), e quando Jesus celebrou a última ceia, proclamou essa nova aliança (Mt.26.28). Na nova aliança, da qual o sábado não faz parte, o selo, ou o sinal de Deus não é o sábado, e sim o Espírito Santo (Ef. 1.13). 
  3. Para finalizar, o verso dezoito de apocalipse treze, diz que a marca da besta era o número de um homem, nada tem a haver com um dia. Fugir disso, é dar voz aonde a bíblia se cala, é supor e arriscar cair no erro, mas a julgar o passado dos defensores dessa doutrina, arriscar cair no erro não é problema para eles, pois sempre haverá a possibilidade de novas revelações interpretativas. 
Crer que haverá no futuro um decreto dominical, é ferir a mensagem da palavra de Deus, é brincar com algo sério, como o livro de apocalipse, e por fim é uma loucura e perda de tempo, pois achar que os Estados Unidos perderá o seu tempo para perseguir meia dúzia de legalistas e fariseus hipócritas, é forçar a barra e abusar da paciência dos verdadeiros servos de Deus.
Soli Deo Glória!