quarta-feira, 25 de janeiro de 2012


Quando o crente começa a duvidar da justiça divina
Texto: Salmo 73
Há momentos na vida do cristão, em que ele parece duvidar da justiça divina, muitas vezes ele faz isso de forma inconsciente, ou seja, sem querer. Mas o fato é que ele duvidou ou esta duvidando ainda da justiça de Deus sobre certas coisas que ao seu modo de enxergar não deveria ser daquele jeito. Vamos ser sinceros amigos, quem é que nunca achou injusto como Deus parece tratar certas pessoas a sua volta? Talvez aquele vizinho ou empresário em sua cidade que você sabe que detesta os crentes em Jesus ou que vive uma vida totalmente imoral, mas mesmo assim, parece que Deus derramou sobre ele a “unção da prosperidade”! Pois tudo o que ele planeja da certo e a cada dia ele esta mais poderoso! Enquanto muitos servos de Deus vão às igrejas receberem a cesta do amor para complementar suas compras mensais!
Então não fique se martirizando, achando que você é um pecador irreconciliável que não tem mais jeito, você é humano e não da para ser espiritual o tempo todo! Isso não quer dizer que você pode duvidar de Deus e sua justiça, mas sim, que você não é não foi e provavelmente não será o único que um dia questionou os desígnios de Deus, pois esse salmo 73 nos trás alguém que também duvidou da justiça divina em certo momento de sua vida. E esse alguém é Asafe, que provavelmente fora um levita na casa do Senhor, e há quem diga que ele era o líder dos coristas.
Asafe começou a notar como os ímpios pareciam ser abençoados por Deus enquanto os crentes pareciam ser esquecidos por ELE! Na visão de Asafe, era inútil servir ao Senhor: “São assim os ímpios; sempre em segurança, e as suas riquezas aumentam. Na verdade que em vão purifiquei o meu coração; em vão lavei minhas mãos na inocência. O dia todo sou afligido; sou castigado cada manhã.”  
Eis o que Asafe viu na vida dos ímpios, que causou seu descontentamento com Deus:
- A prosperidade dos ímpios: “Pois eu tive inveja dos soberbos, ao ver a prosperidade dos ímpios” (v.3);
- A vida saudável, livre de doenças e males que gozavam: “Não há apertos na sua morte; o seu corpo é forte e sadio” (v.4);
- A vida tranqüila, sem perturbações e lutas: “São livres das tribulações dos mortais; não são afligidos pelos males humanos” (v.5);
- A vida sem regras e sem compromisso com Deus, sem limites espirituais e morais: “Portanto, a soberba lhes cinge o pescoço como um colar; vestem-se de violência como de um adorno. Os olhos deles estão inchados de gordura; não têm limite as imaginações do seu coração. Zombam, e falam com malícia; na sua arrogância ameaçam com opressão. Erguem a boca contra os céus, e a sua língua percorre a terra” (VV. 6-9);
- Gozam de prestígio na sociedade: “Pelo que o seu povo volta a eles e bebe águas em abundância” (V. 10).   
Asafe com toda a certeza ficou muito enfraquecido ao olhar a vida dos ímpios, isso lhe causou um sentimento de abandono, injustiça e até de revolta (ver os versos 2,3,13 e 14). Mas quando tudo parecia terminar em uma apostasia espiritual, aconteceu algo na vida de Asafe que mudou toda a sua maneira de enxergar as coisas espirituais, ele compreendeu a maneira de Deus tratar com as pessoas.
Eis os motivos pelos quais Asafe não se desviou do caminho do Senhor:
-A bondade divina: “Verdadeiramente bom é Deus para com Israel, para com os limpos de coração” (V.1);
- A pureza ou a vida de separação e comunhão que Asafe gozava com Deus: (v.13);
- A perseverança em freqüentar a casa do Senhor (ele podia ter enfraquecido, mas continuou indo à casa do Senhor!): “até que entrei no santuário de Deus; então entendi o fim deles” (V. 17);  
- A revelação divina (Deus revela a Asafe o destino dos ímpios): “então entendi o fim deles” (V. 17b).
Amados, não devemos duvidar da justiça divina em nossa vida e em nossa volta, mas se por acaso você esta meio confuso com a maneira de Deus agir, faça como Asafe, vá à casa de Deus e com certeza ELE falará contigo! Pois Deus é fiel e sua justiça durara eternamente! É na casa de Deus que encontramos respostas aos nossos dilemas, é lá, que percebemos como somos abençoados e felizes.
Que Deus te abençoe! E te faça prosperar em 2012!
Pr. Igor de Moura Cogoy