segunda-feira, 14 de julho de 2014




Porque não creio em pontos de contato ou legalidade ao diabo

Olá amigos do blog ai graphai, como é bom poder escrever para vocês! E no dia de hoje, quero falar sobre uma “doutrina” muito comum no meio evangélico, a do ponto de contato, ou legalidade ao diabo, como queira.
Ao contrário do que aparenta, essa doutrina é perniciosa e surgiu na mente de homens gananciosos e mal intencionados, e que infelizmente tem encontrado abrigo no coração de crentes superficiais, que temem mais ao diabo que ao próprio Deus, esse ensino de ponto de contato é herético e tem causado muitos males à igreja de Cristo. Não são poucas as vezes que ouvimos testemunhos de irmãos que se desfazem de coisas de valor financeiro ou de valor sentimental por acreditarem que tais objetos eram amaldiçoados. E isso acontece pela ignorância ou falta de conhecimento bíblico de pastores e obreiros, ou ainda pela esperteza de falsos pastores, que se aproveitam da boa fé dos irmãos para incutir o medo e a total dependência espiritual.
Os defensores dessa prática se utilizam de um simbologismo, que é de causar inveja a qualquer guru místico! Para eles, vários objetos são malditos e devem ser retirados das casas dos irmãos, como fotos do passado, de ex-amigos, de ex-namorados, e acreditem, até bichinhos de pelúcias, entram na listas de objetos malditos desses pastores gurus. Outro dia, vi um pastor pregar que o sapo de pelúcia era um ponto de contato, pois os sapos são utilizados nos rituais de feitiçaria, e quem, portanto tivesse um sapo de pelúcia, mesmo que tivesse ganhado dos pais ou do namorado, deveria se desfazer pois estava com um ponto de contato. Que absurdo! Como alguém pode acreditar que um sapo de pelúcia, é uma porta aberta ao diabo dentro de um lar cristão? Eu pergunto quem fez o sapo e todos os animais, Deus ou o diabo? E qual é a base bíblica para ensinar isso?
A base bíblica utilizada para a defesa dessa heresia é a seguinte: “Não meterás, pois, coisa abominável em tua casa, para que não sejas amaldiçoado, semelhante a ela, de todo, a detestarás e, de todo, a abominarás, pois é amaldiçoada “ (Dt. 7.26). Para quem ouve essas palavras de maneira despercebida, parece realmente falar que devemos ter o cuidado quanto aos objetos que colocamos em nossos lares, mas a pergunta correta a se fazer é a seguinte: O que seria os objetos malditos citados neste texto das escrituras?
O erro destes pastores, é que não se dão ao trabalho de verificar o contexto da citação, e usam um texto isolado para criarem uma doutrina. O erro é tão infantil que me parece até mal intencionado. Pois o texto de Deuteronômio 7.26 não pode ser interpretado separadamente do verso 25, que diz o seguinte: “As imagens de esculturas de seus deuses queimarás; a prata e o ouro que estão sobre elas não cobiçaras, nem os tomarás para ti, para que não te enlaces neles; pois são abominação ao Senhor, teu Deus” (Dt 7.25). Entenderam o que era abominável e não deveria ser colocado dentro dos lares israelitas? Deus estava dizendo para os israelitas que deveriam tomar o cuidado de não levarem os ídolos pagãos para dentro de seus lares. Esse verso é uma advertência a idolatria, que tão de perto rodeava a nação de Israel, e não um verso para ser usado como prova de diversos objetos amaldiçoados. O objeto maldito citado aqui é o ídolo.
O grande problema de alguns pastores evangélicos brasileiros, é que eles não gostam de ler a Bíblia, não se dão ao trabalho de ler o contexto inteiro e pregam o que não sabem. Mas o problema maior, é que esses pastores, sabem que a maioria dos crentes, são como eles, que também não gostam de ler, mas antes preferem acreditar em tudo o que é ensinado nos cultos. É esse analfabetismo bíblico, patrocinado por uma falta de responsabilidade, temor, e preguiça que tem levado as igrejas e os crentes modernos a professar uma fé superficial ligada a símbolos e superstições vãs, que de bíblica não tem nada.
E incrível, como os neo-pentecostais se apoderam de versos do Antigo Testamento, e usando de um simbolismo supersticioso aliado a uma falta de conhecimento do povo, e transformam toda a mensagem das escrituras sobre o assunto em algo místico e espiritualizado. Esse texto que citei de Deuteronômio é uma prova disso, ele nada fala dos animais e da natureza que Deus em sua sabedoria e poder criou. Os animais nada têm haver com as loucuras e pecados humanos, e nada podem fazer para prejudicar ou amaldiçoar um filho de Deus.
Querido entenda uma coisa, se Deus não edificar a sua casa, nada que você fizer edificará! “Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam”(Salmo 127.1).
Outra coisa, onde está na Bíblia, que o diabo tem poder para entrar em sua casa através de uma foto, de um sapo de pelúcia ou coisa parecida? Onde está escrito que o diabo tem legalidade sobre a vida dos que estão em Cristo Jesus? Quem é maior Deus ou o diabo?
Pelo que vejo isso tudo é fruto de mente supersticiosa e presa ainda aos costumes e superstições do passado, de vidas não libertas e que não acreditam na palavra de Deus, nem valorizam o sacrifício de Cristo no calvário.
Que Deus vos abençoe!
Pr. Igor de Moura Cogoy



2 comentários:

jacqueline Alves disse...

Concordo contigo,gostei muito do texto!!!Parabéns!!!

Blog AI GRAPHAI disse...

Obrigado pelo seu comentário jaque volte sempre.