segunda-feira, 27 de julho de 2015


O perigo de julgarmos alguém apenas pela aparência!

"Não julgeis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça" (Jo. 7.24).

Olá amigos do blog ai graphai! Desjo a todos uma semana abençoada na presença de Deus. 
Nesta semana, trago uma reflexão sobre o ato de lançar julgamentos sobre irmãos ou sobre qualquer coisa. E para isso, utilizo um texto extraído de um devocional maravilhoso chamado O mensageiro.
 " Uma certa igreja estava precisando de pastor. Um dos presbíteros escreveu uma carta como se tivesse recebido de um candidato e a leu perante o conselho da igreja: "Senhores: Sabendo que o púlpito de sua igreja está vago, gostaria de candidatar-me ao cargo. 
Tenho muitas qualidades que, penso, irão apreciar. Tenho sido bençoado com o poder na pregação e tenho tido bastante sucesso como escritor. Alguns dizem que sou bom administrador; algumas pessoas, contudo, tem alguma coisa contra. Tenho mais de cinquenta anos de idade. Nunca fiquei no mesmo lugar. Tive que deixar uma cidade, porque a obra causou tumulto e distúrbios. Tenho que admitir que estive na cadeia três ou quatro vezes, mas não por más ações. Minha saúde não é muito boa, embora eu consiga trabalhar muito. 
Tenho exercido minha profissão para pagar as despesas. As igrejas em que tenho pregado, são pequenas, embora localizadas em várias cidades grandes. Eu não tenho tido comunhão com os líderes religiosos das diversas cidades onde tenho pregado. Para falar a verdade, alguns deles me levaram as barras do tribunal e me atacaram física e violentamente. Eu não sou bom para manter arquivos de registros. Muitos sabem que eu esqueci a quem batizei. Todavia, se os senhores quiserem me aceitar, esforçar-me-ei ao máximo, mesmo que seja obrigado a trabalhar para custear o meu sustento" Depois de ler esta carta diante do conselho, o presbítero perguntou aos oficiais se estavam interessados neste candidato. Eles replicaram que ele jamais serviria para aquela igreja. 
Eles não queriam um homem enfermo, contencioso, turbulento, um presidiário descabeçado. E ainda mais, a apresentação deste candidato era até um insulto para a igreja. Depois perguntaram qual era o nome do candidato, e a resposta foi: O apóstolo Paulo!" (1999; pg. 62). 

Essa história reflete bem o que acontece na maioria das vezes nas nossas igrejas não é verdade? Sempre que leio essa história procuro imaginar a expressão de espanto no rosto de cada personagem dela, e também o sentimento de angustia que cada um provavelmente sentiu ao saber que tinha rejeitado o apostolo Paulo para o pastorado! Mas essa história nos leva a refletirmos sobre o perigo de julgarmos alguém ou algo de forma leviana, aliás falando em julgamento, é lícito julgarmos alguém?
Na palavra de Deus, existem textos que parecem nos proibir de lançarmos qualquer tipo de julgamento (Mt 7. 1-5; Rm. 2.1; 14.10; e etc.), Porém em outras passagens as escrituras claramente nos mostram que há a possibilidade de julgarmos sim! (1Co. 5.12; 6.1,2; 14.29; 1Ts. 5.21). Em fim, como podemos constatar aqui, há padrões ou regras para lançarmos um julgamento sobre alguma coisa ou sobre alguém, e essas regras são estabelecidas pela palavra de Deus. A Bíblia é a reta justiça divina, e  é por meio dela que devemos fazer qualquer tipo de julgamento. Todo o julgamento é perigoso e desaconselhável para um cristão (Mt 7. 1-5), porém, há momentos em que temos de tomar uma posição a respeito de algo que esteja acontecendo em nossa volta ou em nossa comunidade religiosa, ai nesse caso, a Bíblia nos manda julgarmos as coisas do modo correto (1 Co14.29), a final de contas nós não podemos aceitar qualquer coisa como vindo da parte de Deus.
Nesses casos, devemos fazer como o Senhor Jesus nos aconselha no texto exposto nesse artigo, e então não julgarmos segundo a aparência, mas segundo a reta justiça que se encontra na palavra de Deus!
Que Deus vos abençoe ricamente em nome de Jesus. 
Pr. Igor de Moura Cogoy